RAPP’s FASE II

RAPP’s fase II (2013 a 2015)
 
     Na segunda fase do Projeto RAPPs, além de incluirmos o Cadastramento Ambiental Rural em nossas metas, aperfeiçoamos a metodologia de recuperação florestal integrando práticas de agrofloresta por nucleação, e integramos a gastronomia na rede produtiva da restauração. Com isto desenvolvemos uma metodologia de Educação Ambiental que integra a escola com os agricultores e estes com os consumidores urbanos e rurais, porque todo mundo no mundo precisa se alimentar. O bom Chef de cozinha sabe que o sabor dos alimentos começa no solo. Por este motivo, no projeto RAPPs cuidamos da fertilidade do solo por meio das raízes e matéria orgânica como parceiras do desenvolvimento das plantas, sejam elas florestais ou agrícolas.


Metodologia por Nucleação para Implantação de Sistemas Agroflorestais e Recuperação de Áreas Degradadas:
 
A metodologia por nucleação constitui em plantar diversas espécies florestais diferentes num pequeno núcleo, integradas com leguminosas para realizar a adubação verde, segue algumas vantagens desta metodologia:
 
– Otimiza o pegamento das mudas florestais plantadas, devido a cooperação entre as espécies no núcleo, além do que a fertilidade e sombreamento do local permite que outras sementes, dispersas pelos pássaros, germinem;
 
– O manejo é mais fácil e econômico do que a forma convencional de recuperação florestal e diminui pela metade o tempo necessário, posto em dois anos, após a formação dos núcleos, o sombreamento que o Ingá realiza é suficiente para combater a brachiária e outras espécies invasivas, não sendo mais necessário realizar manejos com roçadas;
 
– É uma metodologia que integra o homem com a natureza no lugar de ser excludente, pois permite a geração de renda e qualidade de vida na agricultura, seja para consumo familiar como para o comércio de frutíferas e outras espécies agrícolas o ano todo;

– O manejo em Sistemas Agroflorestais proporciona uma melhor ergonomia para o agricultor e menos tempo de trabalho;

– A cobertura do solo com as palhadas, galhos e folhas, conserva sua umidade e, quando degradada pelos microorganismos, seus nutrientes são disponibilizados para as plantas, motivo pelo qual é fundamental ter matéria orgânica permanente para ser colocada nos múcleos, com isso enriquecemos o solo e evitamos sua perda por meio de erosões;

– A diversificação de espécies plantadas todas juntas misturadas, como se diz, oferece equilíbrio no ecossistema, o que permite o controle de doenças e pragas na agricultura, uma vez que a biodiversidade oferece alimento para toda a fauna da cadeia alimentar, onde o agricultor produzirá um alimento saudável, saboroso, com baixo custo e alto valor no mercado
 
Exemplos de Experiências com Nucleação na Implantação de Sistemas Agrolofrestais e Recuperação de Áreas Degradadas:
 

– RECUPERAÇÃO DA MATA CILIAR.

 

– IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA AGROFLORESTAL DIDÁTICO EM ESCOLA RURAL.

 

– IMPLANTAÇÃO DE UM ‘SAF’ EM ÁREA IMPACTADA PELA CRIAÇÃO DE VACAS.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *